Notícias

Notícias


#SeminarioFESPSP

05/10/2017

GT06 – Estilos de vida, consumo e práticas culturais

Nas duas mesas, coordenadas pelas professoras Maíra Muhringer Volpe (UnB) e Renata Mourão Macedo (FESPSP), sete pesquisadores apresentam seus trabalhos.

As atividades do Seminário FESPSP 2017 terminaram, neste ano nós discutimos As Incertezas do Trabalho. Na  reunião do Grupo de Trabalho 06, na quinta-feira, 5 de outubro, submeteram seus trabalhos para discussão os pesquisadores: Thalita Moreira Barbosa (UFJF); Marcello Giovanni Pocai Stella (USP); Leonardo Fontes (UERJ); Luis Vinicius Belizário (UFABC); Flavio Baillot (FESPSP); Karen Grujicic Marcelja (PUC-SP); Vander Casaqui, Fernando Matijewitsch e Camila Brandão Simurro Figueiredo (os três da ESPM-SP). As mesas foram coordenadas e debatidas pelas professoras Maíra Muhringer Volpe (UnB) e Renata Mourão Macedo (FESPSP).

 

Em sua pesquisa intitulada “A influência francesa na sociedade brasileira do século XIX: instituições, estilo de vida e práticas culturais”, Thalita Moreira Barbosa, mestranda pela UFJF, falou sobre “Por fidelidade à Coroa, muitas famílias que simpatizavam com a Família Imperial, deixaram o Brasil junto ao imperador, quando este partiu para o exílio, no ano de 1889. O destino dessa camada da elite não era outro senão Paris, representante da “maior mercearia de prazeres do planeta” (CARELLI, 1994). Definitivamente, na virada do século, as elites brasileiras consideravam-se como tendo duas pátrias, a sua e a França. Sentiam-se de tal forma ao corrente do cotidiano francês que sua atualidade politica e cultural os influenciava diretamente, fazendo parte de suas discussões do dia-a-dia. O projeto proposto busca entender o porquê do destino da elite oitocentista ser Paris. O enfoque do trabalho recai principalmente sob alguns marcos e instituições criadas ao longo do século que ajudam a entender a influência francesa exercida sobre o cotidiano das elites econômicas, políticas e culturais brasileiras”.

 

Já o mestrando Marcello Giovanni Pocai Stella (USP) dissertou sobre “Da missão a vocação profissional: escritores brasileiros de prosa ficcional entre 1960 e 2000”, onde verificou “os caminhos e descaminhos da profissionalização da atividade literária no Brasil. Como formulou Antonio Candido a literatura já foi o centro da vida do espírito nacional, porém atualmente ela parece ter se tornado apenas mais uma forma de arte entre outras. Assim também os escritores tiveram sua posição deslocada. Se antes eram portadores da missão de criação de uma literatura particular no concerto das nações ou eram os artífices privilegiados na busca da formulação de uma identidade nacional, - a dita busca por uma brasilidade - nas últimas duas décadas os autores brasileiros se preocuparam, sobretudo no desenvolvimento de suas carreiras individuais, enquanto profissionais da palavra”.

 

Leonardo Fontes, doutorando pela UERJ, falou sobre “Do espírito da Freguesia à cultura periférica: disputas simbólicas a partir da experiência da mobilidade social nas periferias de São Paulo”, sua pesquisa em que escreve: “Este artigo é resultado de uma pesquisa de doutorado em andamento realizada em dois bairros da periferia de São Paulo: Jardim Ângela, na zona sul, e Brasilândia, na zona norte. Além de utilizar dados quantitativos coletados a partir de um survey e dos microdados do Censo do IBGE, realizei uma pesquisa etnográfica nas duas regiões por cerca de um ano, fazendo uso de técnicas como observação participante e entrevistas em profundidade. Em minha pesquisa, identifiquei uma disputa simbólica entre grupos sociais nas periferias de São Paulo que reflete a oposição entre estilos de vida que procuram colocar-se como mais legítimos e que decorre dessa contradição entre as melhorias no padrão de vida e a experiência concreta dos que habitam essas regiões”.

 

“A Arte desvelando a vida: medo e insegurança na modernidade consumindo a existência” foi o tema de pesquisa apresentado pelo mestrando Luis Vinicius Belizário, da UFABC, em que aponta: “Na virada do século XX para o XXI, Matríx não foi somente mais um simples filme de ficção. A produção é um marco do cinema na virada do século. É ousado pela combinação de alta e inovadora tecnologia (fotografia bullet time), efeitos especiais, mitologia, cultura de quadrinhos (anime e HQ), religião e claro, analogias e questionamentos sobre a condição atual da sociedade Ocidental. Buscaremos com isso, evidenciar que Matrix é a representação de uma combinação de elementos pós-modernos e uma alegoria perfeita de nossa existência, onde Harvey (1989), Giddens (1991), Baudrillard (1991) e Bauman (1999 e 2007) com suas teorias, justificam não somente o seu roteiro e abordagem, mas também os motivos pelos quais o filme foi produzido e a importância de sua existência”.

 

Em sua pesquisa intitulada “Afrodescendentes e LGBT: os sentidos que as relações homoafetivas afrocentradas imprimem na valorização da identidade negra”, Flavio Baillot, graduando pela FESPSP, falou sobre “a forma como atualmente se desenvolvem essas relações, através de pesquisa etnográfica em espaços de convivência deste público. Nas entrevistas foram abordados temas como a vida afetivo-sexual dos participantes, experiências afetivo-sexuais passadas, vida social e familiar, religiosidade, ambiente de trabalho, expectativas pessoais, relacionamento atual e as continuidades e mudanças na valorização da identidade negra antes e depois de adotarem relações afrocentradas e como (ou se) aconteceu alguma modificação nos parâmetros estéticos e afetivos na busca da valorização da identidade própria do público negro homossexual”.

 

Já a doutoranda Karen Grujicic Marcelja (PUC-SP) dissertou sobre “Gordura e feminilidade: apontamentos sobre beleza e inclusão na cultura contemporânea”, onde escreve: “Em um olhar que abrange retrospectiva histórica da mídia e questões emocionais ligadas à obesidade, este texto faz uma breve análise de como as mulheres são atingidas pela preocupação com o peso em aspectos estruturais do gênero, como a feminilidade, a sexualidade e a maternidade. Para tanto são analisados exemplos vistos na mídia, como, por exemplo, artistas que ostentam “barriga negativa” poucas semanas após darem à luz ou casos em que a moda e a mídia, especialmente a Internet, contribuem para a formação de uma nova identidade para as mulheres acima do peso”.

 

Vander Casaqui, Fernando Matijewitsch e Camila Brandão Simurro Figueiredo, todos da ESPM-SP, falaram sobre “Empreendedorismo, infância e celebridades: análise crítica dos discursos de convocação das crianças ao empreendedorismo e suas relações com o consumo”, pesquisa que trata sobre “a cultura empreendedora contemporânea, entendida enquanto processo comunicacional por meio da investigação de discursos que disseminam os preceitos do empreendedorismo na teia social, em cadeias complexas de produção, circulação e consumo. A fim de compreendermos este fenômeno, que alcançou até a infância (ARIÈS, 1986; POSTMAN, 1999), elegemos como objeto os discursos de duas celebridades infantis, a saber: Kylee Majkowski (fundadora da Tomorrow’s Lemonade Stand aos 7 anos de idade) e Davizinho Braga (criador da List-it aos 13 anos), expoentes da cena empreendedora; e uma publicação voltada a incentivar o empreendedorismo desde a infância, de outra celebridade relacionada com esse campo – trata-se da cartilha Aventuras da Bel, assinada por Bel Pesce”.

 

Seminário FESPSP 2017

Tradicional no calendário de eventos de pesquisas acadêmicas, o Seminário FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) na edição 2017 discutirá as Incertezas do Trabalho, em um momento singular na política nacional e no cenário global, em meio a discussões de Reformas Trabalhistas e Previdenciárias em vários países e à aproximação de uma 4ª Revolução Industrial, que já está mudando a forma como lidamos com o trabalho, de formas positivas e negativas. As Conferências, os minicursos, os grupos de trabalho e as reuniões da Cicla das 5 acontecerão entre os dias 2 e 5 de outubro, no campus FESPSP (Rua General Jardim, 522 – Vila Buarque – São Paulo/SP). Saiba mais sobre a programação e as inscrições aqui.

 



Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto/cartão
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!